jusbrasil.com.br
18 de Agosto de 2019

Tudo o que você precisa saber sobre Infrações Graves

Esse é o terceiro artigo da série sobre multas de trânsito.

Doutor Multas, Escritor de Não Ficção
Publicado por Doutor Multas
há 2 anos

Desde novembro passado, as multas por infrações de trânsito passaram a ter novos valores, já que os estipulados até o momento estavam sem atualização desde 2000 e estavam defasados para os efeitos pretendidos pela lei. Essa mudança serviu para fazer com que os motoristas dessem mais atenção às infrações que cometem, reforçando o caráter educativo desse tipo de penalidade, não só com intuito de arrecadar.

Apesar da atualização dos valores das multas, as infrações mantiveram a pontuação aplicada, de acordo com a natureza da infração cometida (leve – 3 pontos; média – 4 pontos; grave – 5 pontos; gravíssima – 7 pontos).

Esse texto tratará das infrações graves e faz parte de uma série de textos para ajudá-lo a entender melhor o sistema de pontos da CNH (Carteira Nacional de Habilitação). Você pode ler também sobre as infrações leves e médias.

Penalidades por uma infração grave

Como já mencionamos, os valores das multas por infrações de trânsito estão mais altos. No caso das infrações graves, esse valor subiu de R$ 127,69 para R$ 195,23. Além disso, o CTB (Código de Trânsito Brasileiro), em seu art. 259, inciso III, também prevê a aplicação de 5 pontos à CNH do condutor que comete uma infração grave.

Entre as quatro categorias de infrações, a grave é a que possui mais infrações em seu quadro. Assim, atentar-se à sua conduta no trânsito é importante para não correr o risco de ter sua CNH suspensa por atingir o número máximo de pontos ou seu veículo retido ou removido, medidas aplicadas a quem comete determinadas infrações graves.

Para chegar ao número limite de pontos na CNH, é necessário somar 19 pontos. A partir de 20 pontos, pode-se iniciar o processo de suspensão. Por esse motivo, é preciso manter seu cadastro sempre atualizado no DETRAN (Departamento Estadual de Trânsito) e garantir o recebimento das notificações, já que não é raro ocorrer a imposição de multas e, consequentemente, penalidades de maneira indevida.

Esse cenário muda quando falamos de motoristas profissionais, que só podem ter 14 pontos na carteira. Quem ainda utiliza a PPD (Permissão Para Dirigir) deve ficar atento em dobro, já que, nessa categoria, o condutor não pode cometer infração grave. Caso isso aconteça, ele perderá a permissão e deverá realizar todo o processo para obtenção da CNH novamente.

Quais infrações são consideradas graves?

Há mais de 70 infrações graves descritas no CTB. Listamos, a seguir, algumas delas:

  • Art. 167 – Deixar o condutor ou o passageiro de usar o cinto de segurança.
  • Art. 177 – Deixar o condutor de prestar socorro à vítima de acidente de trânsito.
  • Art. 181, III – Estacionar o veículo afastado da calçada (meio-fio) em mais de 1 metro.
  • Art. 181, VIII – Estacionar o veículo no passeio, sobre faixa de pedestres, ciclovia, canteiros ou marcas de canalização.
  • Art. 181, XIV – Estacionar o veículo nos viadutos, pontes e túneis.
  • Art. 182, V – Estacionar o veículo na pista de rolamento das estradas, das rodovias, das vias de trânsito rápido e das demais vias dotadas de acostamento.
  • Art. 192 – Deixar de guardar a distância de segurança lateral e frontal entre o seu veículo e os demais, de acordo com a velocidade, o veículo e as condições climáticas.
  • Art. 207 – Executar operação de conversão à direita ou à esquerda em locais proibidos pela sinalização.
  • Art. 214, V – Deixar de dar preferência ao pedestre quando houver iniciado a travessia.
  • Art. 218, II – Transitar na via com velocidade superior ao limite entre 20% e 50%.
  • Art. 220, III – Deixar de reduzir a velocidade ao aproximar-se da guia da calçada (meio-fio) ou acostamento.
  • Art. 220, VIII – Deixar de reduzir a velocidade sob chuva, neblina, cerração ou ventos fortes.
  • Art. 220, XII – Deixar de reduzir a velocidade em declive.
  • Art. 220, XIII – Deixar de reduzir a velocidade ao ultrapassar ciclista.
  • Art. 223 – Transitar com o farol desregulado ou com o facho de luz alta de forma a perturbar a visão de outro condutor.
  • Art. 228 – Usar no veículo equipamento com som em volume ou frequência que não sejam autorizados pelo CONTRAN (Conselho Nacional de Trânsito).
  • Art. 230, XIII – Conduzir o veículo com o equipamento do sistema de iluminação ou de sinalização alterados.
  • Art. 230, XVI – Conduzir o veículo com vidros total ou parcialmente cobertos por películas refletivas ou não, painéis decorativos ou pinturas.
  • Art. 230, XIX – Conduzir o veículo sem acionar o limpador de para-brisa sob chuva.
  • Art. 231, IV – Transitar com o veículo com suas dimensões ou de sua carga superiores aos limites estabelecidos legalmente ou pela sinalização, sem autorização.
  • Art. 235 – Conduzir pessoas, animais ou carga nas partes externas do veículo, salvo nos casos devidamente autorizados.
  • Art. 243 – Deixar a empresa seguradora de comunicar ao órgão executivo de trânsito competente a ocorrência de perda total do veículo e de lhe devolver as respectivas placas e documentos.
  • Art. 244, VI – Conduzir motocicleta, motoneta e ciclomotor rebocando outro veículo.
  • Art. 245 – Utilizar a via para depósito de mercadorias, materiais ou equipamentos, sem autorização do órgão ou entidade de trânsito com circunscrição sobre a via.

Essas são apenas algumas das transgressões caracterizadas como graves pelo CTB. Para conhecer melhor as infrações graves, você pode visualizar a tabela de completa aqui.


Mais informações úteis

Diferente das infrações leves e médias, a infração grave não tem possibilidade significativa de ser transformada em advertência escrita. No entanto, o condutor pode recorrer das multas recebidas, especialmente quando julgá-las injustas. Esse processo pode ser feito de três formas: na Defesa Preliminar, após o recebimento da Notificação de Autuação; à JARI (Junta Administrativa de Recursos de Infração) em 1ª instância e ao CETRAN (Conselho Estadual de Trânsito) em 2ª instância, quando já tiver recebido a Notificação de Imposição de Penalidade.

O condutor pode fazê-lo ou encaminhar a tarefa para um advogado que atue na área de leis de trânsito. É importante ressaltar que a Defesa Preliminar não é obrigatória para realizar as defesas seguintes, mas os recursos à JARI e ao CETRAN são dependentes. Isso significa que o recurso em 1ª instância deve ser realizado para que se possa realizar o recurso em 2ª instância. Todos os recursos possuem prazos para serem enviados, fique atento às notificações!

Como já dissemos ao longo deste texto, há algumas infrações sobre as quais incide a medida administrativa de retenção ou remoção do veículo. Essas medidas implicam em um gasto ainda maior do que o pagamento da multa, já que o condutor responsável deverá arcar com o custo do guincho e com uma diária do local onde o veículo ficará nesse período. Por isso, saber de seus deveres no trânsito é indispensável para uma direção mais tranquila, segura e livre de problemas.

O que você acha dessas penalidades? Tem alguma dúvida? Conte para nós!


Fontes:

http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9503.htm

https://doutormultas.com.br/valor-multa-grave-tabela/

https://doutormultas.com.br/novos-valores-das-multas-de-trânsito/

6 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Que fazer quando recebe duas multas uma às 12:29:39 e outra às 12:30:19 poder-se alegar que configuram a mesma infração?

Se a infração é trafegar em velocidade acima da permitida, ser multado no km 43,620 e no km 44,390 depois no km 61,150 no km 62,160 às 12:16:20 e 12:15:15 pode configurar uma única infração? continuar lendo

Oi, José!

Sim, é possível alegar que isso configura uma única infração. Você não pode ser multado mais de uma vez pelo mesmo erro.

Se você precisar de auxílio, me contate: 0800-6021-543 | doutormultas@doutormultas.com.br

Abraço! continuar lendo

No caso de São Paulo, onde há rodízio de veículos tomando como base o final da placa, se acontecer de uma pessoa sair no dia proibido para a sua placa, ele pode ser multado várias vezes se for parado em diversas fiscalizações ou fiscalização eletrônica? continuar lendo

Oi, Carlos!

O motorista não pode ser multado mais de uma vez pela mesma infração. Caso isso ocorra, basta recorrer, nesses casos é bastante fácil de comprovar o erro do sistema.

Abraço! continuar lendo

Se o individuo ultrapassar uma sinaleira, enquanto estiver no sinal AMARELO, e for multado por isso, adianta recorrer ou será perda de tempo ? Fiquei sabendo que os órgãos administrativos, que recebem as defesas das multas, geralmente nem leem a descrição dos fatos e os pedidos antes de denegarem. continuar lendo

Oi, Rodrigo!

Com certeza adianta, principalmente em uma situação como essa em que o motorista não infringiu nenhuma lei de trânsito.
Para saber tudo sobre o assunto, dê uma conferida em meu artigo sobre o tema: https://doutormultas.com.br/passar-no-sinal-amarelo-da-multa/ continuar lendo